terça-feira, 17 de julho de 2018

Um Dia de Sol - Parte I



UM DIA DE SOL

José Timotheo

          Venho caminhando ladeira abaixo. Olho quem me olha e enxergo quem não me vê. É um dia de sol. Só quero passear e ver as pessoas. Saber das coisas que o jornal e a televisão não mostram. Alguma coisa de feliz da minha gente. O que o jornal estampa e a televisão grita o dia inteiro eu procuro jogar no vaso e dar descarga. Eu não sei como os repórteres conseguem repetir as mesmas notícias vinte e quatro horas seguidas. O otimismo parece que tirou férias. Ele carece de esperança. Eu não acredito que o Brasil só tenha manhãs cinzentas e noites rubras.
        Passo por uma praça. Paro e observo que faltam flores. Vejo também meia dúzia de brinquedos caídos,  alguns aparelhos de ginástica, para idosos ou não, sendo usados por crianças e velhos. Não tenho certeza se fazem exercícios ou brincam. Não acredito que todas as praças estejam caindo aos pedaços. Vou em frente.
       Um cheirinho de mar invade minhas narinas. Atravesso a rua, com o sinal aberto para mim, mas preocupado para não atropelar algum carro. Consegui chegar do outro lado. Aperto o meu braço: estou vivo. Respiro fundo e olho para o outro lado da baía. O reflexo não me deixa muito à vontade. O espelho d’água, literalmente falando, é um espelho refletindo o sol dentro do meu olho. Então, óculos escuros na cara! O que fazer? Não consigo encarar a claridade do dia!
       Um banco limpo se apresenta a uns poucos passos à frente. Vou ficar à vontade para assistir um grupo jogar vôlei descontraidamente. Pareço num camarote. O privilégio é só meu. Alguém sacou equivocado e a bola caiu nos meus pés. Parecia um convite. Mas hoje não quero jogar. Estou aqui só para ver o dia e a minha gente. Devolvi a pelota, como dizem os portugueses, junto com um sorriso.
       Quinze minutos e o jogo foi ficando enfadonho. Quando pensei em me levantar, chegou uma galera. Perdi a visão do jogo e do mar. Alguém que eu não via, começou a fazer um discurso político. Não sei a qual partido pertencia. Mas também para que saber? Qualquer partido já está desprovido de conteúdo... de verdades. Então qualquer letra não vai alterar o fator honestidade mesmo. Perguntei a uma menina, que havia acabado de pisar no meu pé, se já era campanha política, em pleno janeiro. Ela olhou pra mim, não pediu desculpas, fez uma careta e disse:
         - Tá maluco? A gente aqui não gosta de política! Não conseguiu entrar dentro do tema, do conceito, do conteúdo, da inspiração daquele homem da natureza? Presta atenção no que ele fala! Respire o que sai da sua boca!
          Fiquei olhando pra ela e tentando entender o que o cara falava. Ela de olhos já fechados parecia em êxtase. Apurei a minha audição e consegui sintonizar a fala do cara. Só que não entendi patavinas. Chegou aos meus ouvidos alguma coisa que se parecia com um gemido. Levantei-me e tentei furar o bloqueio e chegar até o líder. Fiquei assustado, juro. Não sei bem o que era aquela pessoa. Era pele e osso. Um rapaz amparava-o para que não desmontasse.
          Da boca desse magricela saía uns sons não identificados. Perguntei a um rapazinho, que tinha acabado de abrir os olhos, quem era aquela figura estranha.
          - Ei amigo. O que é que ele está dizendo, com esses gemidos?
         Ele me olhou de cima abaixo, com um misto de curiosidade e desdém, e falou no meu ouvido:
          - Ô coroa, você está por fora mesmo. O que ele diz é um mantra. É uma coisa profunda que só é entendida por gente evoluída.
     CONTINUA NA SEMANA QUE VEM...

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Pensamento de Poeta - Passageiro do Sonho



Passageiro do Sonho

- José Timotheo -

Abre-te
Oh! Sonho
Alcance o infinito da ilusão
Caminhe livre
Na busca da esperança
Cruze o limiar do infinito
E liberte-me
Presenteie-me
Enfim a angelitude
Mas por favor
Não me acorde mais
Mesmo que haja lágrimas

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Pensamento de Poeta - Não Perca Tempo



Não Perca Tempo
- José Timotheo -
A quase manhã
Amanhecia fria e esbranquiçada
Mas se via restos de madrugada
Bocejando entre a vegetação
Ainda sem cor definida
Um galo, ao longe, iniciava o seu dia
Um boi mugia mais longe que a neblina
Os pássaros se espreguiçavam
Entre as folhas das árvores
Acordando com seus ninhais
Que despertavam de boca aberta
Era a natureza abrindo os olhos lentamente
Já esquecida do dia anterior
Se preparando para fechar mais um ciclo
Era mais um dia de inverno
Que ainda parecia outono
Que podia ser verão
Mas que primaverava
Pra natureza, nada disso importa
A natureza vai em frente sempre
Ela não para, para reclamar do passado
Ela só quer escrever o presente
Não importam os dias confusos
São confusos para nós
Porque ela não olha pra trás
Não peca tempo
Siga em frente
                                       fim



terça-feira, 26 de junho de 2018

Pensamento de Poeta - As mãos que não são de Deus



As mãos que não são de Deus

- José Timotheo -

Tem momentos na nossa existência
Que envolvidos pelo desespero
Entregamos praticamente sem opção alguma
Uma vida em mãos alheias
Depois rezamos e torcemos para a vida
Voltar à vida pelas mãos que não são as de Deus
Nessa hora o coração está nos braços do medo
Da dúvida e até da dor aguda
A dor que não é da carne
Mas aquela que abraça a alma
E que faz com que ela chore
Porém essa lágrima derramada
Não podemos enxugar de imediato
Pois ela só seca quando a vida volta
A sorrir para você novamente
Então você pega todo o sofrimento antecipado
E joga no lixo do esquecimento


terça-feira, 12 de junho de 2018

Pensamento de Poeta - Ele me disse


ELE ME DISSE

                                                                                    - José Timotheo -


Da ostra, ao defender-se de um invasor
Nasce uma linda pérola
Nasce e cresce o lírio num lamaçal
No senado ou na câmara
Meu pai, o que nascerá?
Meu filho! Mais um ser infernal

terça-feira, 5 de junho de 2018

Pensamento de Poeta - Corruptela



Corruptela

José Timotheo

Subtrair
Sub
Trair
O povo chora
Enxugue as lágrimas
E não volte a chorar
Não peque novamente
Acerte o alvo
Para que não
O subtraiam mais
Os piratas estão a postos
Mas podemos afundá-los
Com os seus navios